• Facebook
  • Twitter

29 de outubro de 2010

Vote por um Brasil mais verde e limpo

Faltam 2 dias para o segundo turno das eleições presidenciais e o Greenpeace Brasil continua em campanha por um comprometimento dos candidatos Serra e Dilma.

Em ano de eleição, é normal ver promessas relacionadas aos problemas da população. Há solução para tudo, até mesmo para a falta de chuva, para a falta de emprego, para a falta de remédio, enfim, para tudo. Mas, e o meio ambiente, onde fica nesse período? Onde estão as propostas para essa área?

Temos também o problema do desmatamento, pois sabe-se que parte das florestas está em meio a queimadas que resultam em mudanças climáticas, ameaçando a vida no Planeta Terra. Mas, cadê os projetos dos políticos para a área ambiental? 

Cabe a lembrança do problema ambiental do lixo e fazendo um paralelo com a política que tem se mostrado cada vez mais suja, que tal começarmos limpando o Brasil nas eleições de outubro próximo?

Cobramos propostas para a preservação do meio-ambiente, queremos o incentivo para o uso de energias renováveis, uma política que diminua consideravelmente as emissões de gases causadores do aquecimento global, desejamos a proteção dos oceanos e uma conduta ética em relação aos transgênicos, as pessoas precisam saber o que estão consumindo.

21 de outubro de 2010

Dia Mundial da Alimentação


No dia 16 de outubro é comemorado o Dia Mundial da Alimentação. Para estimular o consumo consciente o Greenpeace montou uma barraca no estacionamento do Extra localizado no Setor de Industria e Abastecimento – SIA – próximo a feira dos importados . Visto que os alimentos transgênicos têm ocupado um espaço notório nas prateleiras dos mercados que abastecem nossa casa, a barraca do Greenpeace tinha o intuito de oferecer a população de toda faixa etária a importância do conhecimento a respeito dos alimentos transgênicos.
Para chamar e prender atenção do público dois voluntários do Greenpeace se fantasiaram, um de árvore e outro com o símbolo dos alimentos transgênicos. O trabalho consistiu em abordar os clientes do mercado ( de todas as faixa etárias e níveis sociais), oferecendo informações sobre os alimentos transgênicos e posteriormente distribuindo aos mesmos o Guia do Consumidor (com informações adicionais sobre o gênero de alimento comentado e a marca dos produtos que contém mutações genéticas).

Por Hévily Moreira

25 de setembro de 2010

Ajudando nossa cidade a respirar




Dia 22 de setembro foi o Dia Mundial Sem Carro e nossos voluntários foram às ruas para conscientizar a população sobre a importância da diminuição de produção dos gases causadores do efeito estufa.
Com uma faixa estendida (dia mundial sem carro, experimente outro transporte) abordamos os carros mais poluentes e aplicamos multas simbólicas para quem estava sem cinto de segurança e para quem não participou da carona solidária.
Algumas pessoas demonstraram interesse na campanha, mas reclamaram do transporte público e da falta de infraestrutura (nas ruas e no trabalho) para os ciclistas.
O problema não é usar o carro, o maior problema é o uso abusivo. A cada dia, 130 novos carros são colocados nas ruas de Brasília.
Repense seus hábitos, comece experimentando os transportes alternativos uma vez por semana! E não se esqueça que a carona solidária pode ser feita sempre. Assim você ajuda sua cidade e seu planeta!

Por Mayara Alves

19 de agosto de 2010

Menos petróleo, mais qualidade de vida.




Por Renato Zerbinato:

No último final de semana o Greenpeace Brasil realizou, nas cidades de Salvador, Rio de Janeiro e Recife, uma grande atividade de alerta, denúncia e sensibilização sobre o caso do vazamento de petróleo no Golfo do México “promovido” pela BP.

Tive a oportunidade de fazer parte da ação em Recife, na Praia de Boa Viagem, onde reunimos 21 voluntários em torno de um mesmo objetivo: Alertar a população sobre os riscos que assumimos quando optamos pela extração desnecessária de petróleo e principalmente os riscos ambientais oferecidos pela empreitada alucinada do Governo Federal em torno do Pré-Sal, deixando claro também sobre as propostas do Greenpeace em torno da alteração da fonte energética utilizada hoje.

Em poucos minutos, 10 voluntários, trajando roupa de banho, já estavam completamente cobertos com uma mistura atóxica de simulava petróleo, e um banner com a mensagem: “BP HOJE, PRÉ-SAL AMANHÔ. A proposta da ação era lúdica e simples, mostrar às pessoas que infelizmente, num futuro não muito distante, as praias brasileiras poderão de fato ser invadidas pelo petróleo que, em nome de interesses econômicos e políticos, sofre uma exploração irresponsável, trazendo danos irreparáveis ao planeta e pondo em risco a existência de diversas espécies da flora e da fauna marinha.

Enquanto os “banhistas” ativistas exibiam seus corpos cobertos por “petróleo” outros 11 voluntários (incluindo eu) faziam o trabalho de esclarecimento e sensibilização.

A ação teve enorme receptividade por parte de todos que iam chegando à praia, muitas pessoas vinham conversar conosco e felizmente, deu para sentir que a maioria das pessoas não acha seguro um projeto tão irresponsável quanto o Pré-sal.
O que presenciamos por lá, foi uma enorme insatisfação e sentimento de impotência por parte da população que, preocupada com as conseqüências do maior acidente ambiental de toda a história humana, vinha conversar e pedir mais esclarecimentos sobre a questão e qual a relação do acidente no Golfo do México com exploração do Pré-Sal aqui no Brasil.

Pessoalmente, encontrei uma única dificuldade durante a atividade, pelo menos 4 pessoas me questionaram sobre a construção do porto de SUAPE, dizendo que estavam acabando com o mangue e a vegetação nativa, infelizmente não estava a par do assunto, mas pude contar com a ajuda de alguns dos voluntas locais que estão acompanhando esta questão mais de perto.

Até nisso senti a semelhança entre os grupos, assim como a população recifense tem sofrido com o porto de SUAPE, nós aqui em Brasília sofremos com a devastação desenfreada do Cerrado, tanto em um caso quanto outro, por causa do interesse econômico e político o homem destrói a natureza, alterando o microclima e promovendo a extinção de centenas de espécies endêmicas.

Passamos a manhã inteira envolvidos com esta atividade e ao final, durante nossa conversa de avaliação, o sentimento unanime do grupo: Alegria e satisfação em ver que o esforço não foi em vão e que, mais uma vez, conseguimos atingir nosso objetivo.

24 de julho de 2010

Ações do Greenpeace referentes ao derramamento de óleo no Golfo do México.


Muitos Blogs, muitos políticos e até mesmo muitas pessoas vêm questionando o Greenpeace sobre o derramamento de óleo no Golfo do México, acreditando que a organização está ausente e omissa no que foi considerado o pior acidente ambiental da história.

Porém, isso não é verdade!

Um de nossos voluntários escreveu uma resposta bastante completa e divulgou para todos esses blogs. Colocamos abaixo:

"Não há ausência do Greenpeace em relação ao vazamento de óleo no Golfo do México. Se você acompanhar o site do Greenpeace Brasil, do Internacional, da Inglaterra ou dos EUA você vai encontrar inúmeras matérias sobre o assunto, sobre ações diretas (protestos) realizados inclusive com um representante brasileiro no lugar onde o óleo está chegando na costa e outro protesto na sede da empresa colocando uma bandeira com o dizer “British Polluters”.

Esse velho argumento de que o Greenpeace só atua em nações em desenvolvimento, pobres para que não se desenvolvam é uma falácia. Se você acompanhar nos sites de cada pais, mais de 40 que o Greenpeace atua, você verá que existem trabalhos e protestos em todos eles, sem distinção!

Alguns links para conferir a informação dada:

http://beagleclub.blogspot.com/2010/06/greenpeace-em-campanha-para-british.html

Chorando sobre óleo derramado
Nova tentativa de contenção do vazamento fracassa. Em tom de pessimismo, BP prevê que o desastre dure pelo menos mais dois meses. Os impactos são imensuráveis.

Folga para os mares
Obama estipula moratória de seis meses para novos poços de petróleo em alto mar nos Estados Unidos, tempo insuficiente para mudança efetiva em direção a um futuro renovável.

Um peso, duas medidas
Últimas do Golfo: ativistas indiciados por manifestarem contra exploração de petróleo no Ártico. Enquanto isso, BP aguarda avanços em contenção.

Depois de um erro, vem o outro
Ativistas usam óleo recolhido do vazamento no Golfo do México para pintar navio, em protesto contra plano de exploração de petróleo no Ártico chefiado pela Shell.

Mãos lavadas em óleo
Em audiência no Senado americano, as empresas envolvidas no vazamento de petróleo no Golfo do México passam a culpa adiante, enquanto mancha avança pelo litoral.

Dano incalculável
Óleo não para de vazar no Golfo do México e deixa governo americano incapaz de medir o alcance e o impacto do acidente. Greenpeace cobra moratória de exploração em alto mar.

Desastre para ficar na história
Local de reprodução de várias espécies de mamíferos, aves e peixes, alguns em perigo de extinção, o Golfo do México e a costa da Lousiana estão banhadas em óleo.

A mancha negra
Acidente com plataforma de petróleo espalha óleo pelo Golfo do México e dúvidas sobre um modelo energético prejudicial à saúde humana e ambiental.

Deepwater Horizon - Harvey Explorer

Putting Obama's Arctic drilling announcement in perspective

Arctic drilling next? Hell no!

Protest at BP's London headquarters

Mr Hayward – this is not a ‘tiny’ matter...

One Drill Too Far

Além de todos os protestos e matérias publicadas, o navio do Greenpeace, Arctic Sunrise, está nos Estados Unidos para monitar os prejuízos do vazammento de óleo no Golfo do México, conforme mostra o link abaixo:


Veja as fotos da vista aérea do vazamento e protestos contra a exploração de petróleo no mundo por: http://www.flickr.com/photos/greenpeacebrasil/sets/72157624032925434/

Mapa que mostra a profundidade do desastre ambiental:

16 de julho de 2010

NÃO VOTE EM QUEM MATA FLORESTAS!


Após divergências, debates, protestos foi aprovado o relatório do Deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), agora segue para Câmara dos Deputados. Em ano de eleição, vamos ficar alertas dos deputados que votaram contra e a favor das nossas florestas.

Quem votou pelas mudanças no Código Florestal:

1. Anselmo de Jesus (PT-RO)

2. Homero Pereira (PR-MT)

3. Luis Carlos Heinze (PP-RS)

4. Moacir Micheletto (PMDB-PR)

5. Paulo Piau (PPS-MG)

6. Valdir Colatto (PMDB-SC)

7. Ernandes Amorim (PTB-RO)

8. Marcos Montes (DEM-MG)

9. Moreira Mendes (PPS-RO)

10. Duarte Nogueira (PSDB-SP)

11. Aldo Rebelo (PCdoB-SP)

12. Reinhold Stephanes (PMDB-PR)

13. Eduardo Seabra (PTB-AP)



Quem votou contra as mudanças no Código Florestal:

1. Dr. Rosinha (PT-PR)

2. Ricardo Tripoli (PSDB-SP)

3. Rodrigo Rollemberg (PSB-DF)

4. Sarney Filho (PV-MA)

5. Ivan Valente (PSOL-SP)

15 de julho de 2010

Vídeo | Protesto do Greenpeace em Brasília



Ativistas do Greenpeace interromperam a votação na Comissão Especial com faixas que descreviam: "Não vote em quem mata nossas florestas", isso tudo para alertar os eleitores brasileiros que um grupo de políticos em fim de mandato querem usar as eleições para alimentar os interesses dos ruralistas e acabar com as florestas do país.

Após aprovação da proposta, o texto segue para o Plenário da Câmara.

https://twitter.com/GreenpeaceBSB

13 de julho de 2010

Greenpeace Brasília na 2º Mostra Científica do Colégio Marista







Em nossa atividade no Colégio Marista, no dia 03.07.2010, foi de plena satisfação humana. Houve uma participação esfuziante das crianças. Era lindo ver e ouvir o seu sorriso, naqueles lindos rostos infantis. Em cata-vento finalizado nós também nos sentíamos realizados e estimulados a continuar na orientação (pintura e explicações sobre os diversos tipos de lixo e suas cores relacionadas) e elaboração dos mesmos. Após a confecção de um cata-vento corriam pelos passeios dos jardins com os cabelos voando ao vento. Voltavam ofegantes e felizes. Algumas crianças chegaram a fazer mais de 02 cata-ventos. Somado a isso houve trabalho com estêncil, onde as crianças levaram camisetas para pintar de acordo com diversos moldes relacionados ao Greenpeace. As crianças escolhiam os moldes além das mesmas pintarem, com o auxílio dos voluntários Bernhar e Renato. Percebemos, cada vez mais, que pra conseguirmos mudar o comportamento humano, no futuro, devemos investir na transformação das crianças, pois estas serão as futuras formadoras de opinião e quem dirigirá o nosso país.

Texto: Agenor Pauletto e Mayara Melo Fotos: Rubens Bijus

7 de julho de 2010

Protesto do Greenpeace em Brasília CONTRA a alteração do Código Florestal




Ruralistas rifam as florestas de olho nas eleições

Protesto do Greenpeace em Brasília expõe a bancada da motosserra, maioria na comissão especial que ela mesma criou para reformular o Código Florestal e que aprovou projeto que anistia crimes ambientais, estimula a impunidade, aumenta desmatamento e desmoraliza compromissos internacionais assumidos pelo governo Lula.

A luta, apesar de tudo, segue!

Greenpeace Brasília no Twitter: www.twitter.com/GreenpeaceBSB

1 de julho de 2010

24 de junho de 2010

Óleo no Golfo do México já pode ser visto do espaço.



Essa captura foi feita por um satélite da Nasa. Há a preocupação de existir regras mais rígidas referentes a captação de petrólio em plataformas.

Leia sobre uma das ações do Greenpeace sobre o fato:

http://www.greenpeace.org/usa/press-center/releases2/charge-bp-not-greenpeace

16 de junho de 2010

Colabore com o Greenpeace




Nos dias 18 e 19 (sexta e sábado) a equipe de Diálogo Direto do Greenpeace estará na Feira dos Importados, das 10 às 16h.
A Feira já é conhecida dos Brasilienses: S.I.A./Sul Trecho 7 Lotes de 5 a 180 – Setor de Comércio Especial.
.
A meta será conscientizar colaboradores para o apoio financeiro ao Greenpeace.
Todo o recurso para as atividades e campanhas do Greenpeace é originado de doações voluntárias de colaboradores.
.
Não são aceitas doações de pessoas jurídicas, partidos políticos, etc.
.
Portanto todo o trabalho do Greenpeace depende dos colaboradores. Torne-se você também um deles.
O planeta agradece !

7 de junho de 2010

Menos CO2, mais bicicletas


Neste domingo, 06 de junho, voluntários do Green DF estiveram prestigiando o oitavo passeio ciclístico Rodas da Paz.

Oportunidade também para a coleta de mais assinaturas contra as alterações desastrosas do Código Florestal.

Por um trânsito menos violento e por cidades mais humanas.

Afinal, segundo o Rodas da Paz “é pedalando que a gente se entende!”

Vale a pena conhecer os trabalhos da ONG Rodas da Paz:

http://www.rodasdapaz.org.br

4 de junho de 2010

"Pelada" pelo meio ambiente





Uma “pelada” entre o Bancada da Motosserra Futebol Clube e o Florestas Futebol Clube, animou quem já está no ritmo da copa, mas não esquece a importância das florestas.

Na Semana do Meio Ambiente em Brasília os voluntários do Greenpeace convidaram as pessoas a bater bola em um jogo divertido, onde o time das florestas tem que ganhar, é claro.



Exposição “Floresta Ameaçada”
Shopping Conjunto Nacional
SDN CNB Conjunto A – T.119
01 a 6 de junho

Jogo de Futebol - Floresta F. C. x Motosserra F. C.
Gramado em frente ao museu nacional na esplanada dos ministérios
05 de junho - 15h às 19h

31 de maio de 2010

Greenpeace na Semana do Meio Ambiente

De 01 a 06 de junho acontecerá a Semana do Meio Ambiente.

O Greenpeace DF estará no Shopping Conjunto Nacional, de terça a domingo, das 10 às 22h.

Atividades:

Exposição atualizada sobre Amazônia;

Painéis/mapas explicando o que é o Código Florestal e os impactos negativos de sua alteração;

Painel com resumo das principais demandas da campanha do Greenpeace pelo Desmatamento Zero, explicando porque estamos pedindo a participação da sociedade.
.
.
Histórico:

O Dia Mundial do Meio Ambiente é comemorado em 05 de junho.

A data foi recomendada pela Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, realizada em 1972, em Estocolmo, na Suécia.

Em 1981, o governo brasileiro também decretou a Semana Nacional do Meio Ambiente.

28 de maio de 2010

Sonzinho bom !




O Grupo de voluntários do Greenpeace DF esteve dias 28 e 29, das 20 às 24h no Festival República Blues:

Foi no Complexo Funarte, Eixo Monumental, entre a Torre de TV e o Clube do Choro.

Mais uma oportunidade para a coleta de assinaturas contra as alterações do Código Florestal.
Mais uma oportunidade para unir o útil ao agradável.

As fotos aqui:

26 de maio de 2010

SOS para nossas florestas

O grupo de voluntários do Greenpeace DF e a Fundação SOS Mata Atlântica estarão juntos nestes dias 26 a 29 de maio.

Vale a pena conferir a programação da SOS Mata Atlântica e também deixar seu recado no abaixo assinado do Greenpeace contra as alterações do Código Florestal que visam aumentar o desmatamento em nossas florestas.

Programação:

26 de maio (qua) – Anexo I da Câmara dos Deputados
Atividades abertas ao público durante todo o tempo - das 11h às 18h
11h – Solenidade de Abertura.
15h - Roda de conversa: gerenciamento de resíduos de serviços de saúde.
16h - Coleta de água do Lago Paranoá para análise.

27 de maio (qui) – Anexo I da Câmara dos Deputados
Atividades abertas ao público durante todo o tempo - das 10h às 18h
11h - CineMata: Exibição de vídeos com tema socioambiental.

28 de maio (sex) – Anexo I da Câmara dos Deputados
Atividades abertas ao público durante todo o tempo - das 10h às 18h
14h30 – Palestra: Pegada Ecológica, em parceria com o WWF
16h – Palestra: Consumo e impacto ambiental, em parceria com a ONG Amigos do Futuro.

29 de maio (sáb) – Anexo I da Câmara dos Deputados
Atividades abertas ao público durante todo o tempo - das 10h às 18h
14h30 – Roda de conversa: Voluntariado Socioambiental.
18h – Encerramento das atividades.

24 de maio de 2010

Abaixo assinado: Código Florestal



O Greenpeace está nas ruas de Brasília.
Nestes dia 22 e 23 de maio estivemos no Parque da Cidade.

Manifeste-se contra as alterações no Código Florestal que irão destruir ainda mais nossas florestas.

Você já pode assinar a petição on-line aqui:

21 de maio de 2010

Pedal do Silêncio

Em respeito aos ciclistas mortos no trânsito caótico que vivemos, segue relato do pedal do silêncio, realizado na esplanada dos ministérios. Mais biciletas, menos carros. Mais respeito, menos violência.
No dia 20 de maio de 2009 a capital federal aderiu ao Pedal do Silêncio:
http://www.rideofsilence.org/

Enxurrada de carros na W3 Sul, por volta das 19h. Eles congestionam, nós pedalamos!


Concentração para o Pedal do Silêncio 2009

Pedaladas pela paz – I

Pedaladas pela paz – II

1 minuto de silêncio pelos mortos no trânsito

videovideo
Já em 2010, na segunda edição do evento, o Distrito Federal se consolidou como uma das cidades de manifestações do Pedal do Silêncio.
Veja as fotos:
Veja os vídeos:

24 de abril de 2010

Energia sim, Belo Monte não


Um monte de estrume, encomendado especialmente pelo Greenpeace para o governo federal, é a melhor representação do que esse projeto simboliza para o país

Pouco antes de o Sol despontar na capital federal na manhã desta terça-feira, ativistas do Greenpeace despejaram três toneladas de esterco na frente da entrada principal do prédio da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), onde o governo pretendia leiloar a concessão para construção e operação da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. Sobre o morro formado de estrume, os ativistas colocaram duas placas, com as mensagens: “Belo Monte de... problemas” e outra, mais explícita: “Belo Monte de merda”.
O protesto, é verdade, assumiu contornos escatológicos. Mas era a única maneira de resumir, em uma imagem, a herança maldita que o governo Lula deixa para o país insistindo nessa obra. Ontem, a Justiça Federal concedeu uma liminar que suspendeu novamente o leilão, a pedido do Ministério Público Federal. Mas o governo tentou reverter a decisão e conseguiu. Ao meio dia, Tribunal Regional Federal cassou a liminar da Justiça Federal e o leilão deverá ser realizado ainda hoje.
Se sair do papel, Belo Monte será ao mesmo tempo um disparate econômico, um crime social e ambiental e uma mancha na história do Brasil. O projeto ecoa um modelo de desenvolvimento velho, que o país não deve nem precisa investir, tendo em vista que é absolutamente possível gerar a mesma quantidade de energia com impactos infinitamente menores.
“Belo Monte é o exemplo do que há de mais atrasado no Brasil, é replicar o antigo molde energético que beneficia poucos à custa de uma destruição socioambiental imensa”, diz Sergio Leitão, diretor de Campanhas do Greenpeace. “Defender Belo Monte significa olhar o desenvolvimento do país pelo espelho retrovisor. O Brasil de hoje e do futuro podem seguir um caminho que una segurança energética, crescimento econômico e respeito ao ambiente e às pessoas.”
O custo inicial previsto pelo governo para a obra, R$ 7 bilhões (valor esse já revisado – para cima, obviamente – agora em R$ 19 bilhões), seria suficiente para formar um parque eólico equivalente a Itaipu. Ou seja, em vez de o BNDES bancar 80% desse projeto, como promete fazer, poderia aplicar os recursos dos brasileiros de maneira muito mais inteligente.

18 de abril de 2010

Ativistas do Greenpeace são detidos após protesto.


Integrantes da organização internacional Greenpeace foram detidos nesta quinta-feira (15) por policiais militares do DF após protesto fantasiado em frente ao Palácio do Itamaraty.

No local, Lula recebe chefes de Estado de China, Índia e África do Sul. A presença do presidente russo está prevista para o final da tarde.

Os manifestantes cobram uma atuação mais decisiva desses países na tentativa de convencer Estados Unidos e Europa a rever suas metas de redução nas emissão de gases-estufa.

Mesmo com a avenida fechada para o trânsito de veículos e toda cercada por PMs, seis integrantes verdes driblaram a segurança oficial e se aproximaram do palácio.

Cada um usava uma fantasia: turbina eólica, árvore, árvore cortada, barril de petróleo, chaminé e painel solar.

A acão estava presvista para acontece na sexta-feira(16/04), devido aos acontecimentos na china, o Presidente chinês cancelou a agenda de sexta para voltar e ajudar seu país.

"Viemos desafiar esses países a evitar que sejam catastróficas as consequências do fracasso de Copenhague", disse o coordenador do Greenpeace João Talocchi, numa referência à conferência da ONU sobre o clima, no final do ano passado.

"O sol e o vento têm que ser a base para a energia", disse o ambientalista

Greenpeace pede justiça no Japão



Greenpeace protesta em frente à embaixada do Japão em favor de Junichi Sato e Toru Suzuki, ativistas que sofrem julgamento abusivo por denunciarem esquema de contrabando e venda ilegal de carne de baleia. Se condenados, os dois, conhecidos internacionalmente como ‘Tokyo Two’, podem pegar até dez anos de cadeia. As duas últimas sessões do processo foram marcadas por mentiras e incongruências nos depoimentos.

Kumi Naidoo, atual diretor executivo do Greenpeace, esteve presente no protesto, que levou para frente da casa oficial uma baleia acorrentada. Ele entregou uma carta à equipe da embaixada com pedido de justiça. Em maio de 2008, os dois ativistas japoneses investigaram esquema de corrupção e contrabando envolvendo o programa baleeiro japonês. Em desrespeito à Moratória da Caça Comercial de Baleias, estipulada internacionalmente em 1982, o Japão segue caçando sob o argumento de pesquisa científica e pratica o comércio ilegal da carne.

Além de usar dinheiro público para financiar a matança no Santuário de Baleias do Oceano Antártico, o programa envolvia uma rede ilegal de venda de sua carne. Como prova, Junichi e Toru interceptaram uma caixa do produto de um navio baleeiro e entregaram ao Ministério Público japonês. A denúncia foi distorcida e rendeu-lhes um processo por roubo e invasão de propriedade.

No mesmo dia em que foram presos – tendo permanecido 23 dias na cadeia sem direito a julgamento – o Ministério Público arquivou a investigação de contrabando feita pelo Greenpeace. Desde então, o Japão é palco de um processo recheado de contradições e criticado por organizações como a Anistia Internacional e o Centro de Direitos Humanos da ONU.

O julgamento, que teve início dia 15 de fevereiro, vem sendo marcado por depoimentos desencontrados. A empresa dona da frota de navios, Kyodo Senpaku, de onde a carga foi interceptada, chegou a afirmar que a carne de baleia não era distribuída pelos funcionários do navio. Em uma segunda versão, disse que apenas as partes ‘menos nobres’ eram presenteadas. Na sessão de ontem, testemunha assumiu que a tripulação recebia carne de baleias bebês, mais macias e com alto valor de venda no mercado.

Hoje, no terceiro dia de julgamento, novas mentiras no ventilador. Funcionário aposentado do navio que colaborou com Junichi e Toru na investigação contou ao júri saber que carne de baleia era entregue como ‘souvenir’ a parlamentares japoneses e oficiais da Agência de Pesca do Governo. E o que é pior: os próprios membros da Comissão Internacional da Baleia (CIB) levavam para casa grandes quantidades de valiosos cortes da cauda do animal, alegando fins científicos.

A testemunha, que prestou depoimento sem identificar nome e rosto temendo represálias, afirmou também ter sido coagido pela polícia de Tóquio a negar ter presenciado, ou participado, de contrabando dentro do navio.

“Logo no primeiro dia, ficou claro que o julgamento é uma tentativa de manter a mentira em torno da caça ilegal de baleia praticada pela indústria pesqueira japonesa”, diz Leandra Gonçalves, coordenadora da campanha de oceanos do Greenpeace. As próximas sessões acontecem em maio e o veredicto está previsto para junho.

Desde a prisão de Junichi e Toru, em junho de 2008, mais de 250 mil pessoas no mundo já assinaram uma petição online cobrando justiça para os ‘Tokyo Two’.

26 de fevereiro de 2010

“2010 o ano em que faremos contato”


Livro e filme clássicos do pacifismo, “2010” de A.C.Clarke é a seqüência do lendário “2001 uma odisséia no espaço”, também de A.C.Clarke e roteiro de Stanley Kubrick.

Quase três décadas após o lançamento, livro/filme não prevê corretamente a tecnologia disponível atualmente, talvez devido à perda de tempo e dinheiro gasto em fazermos guerras pelo mundo afora.

Espetaculares, livro e filme expõem abertamente a pequenez do homem no universo, em um planeta que apenas lhe é emprestado.

Também a sordidez da ganância em uma sociedade competitiva, tremendamente comprometida em não aceitar diferenças de pensamento.

2010 chegou.

Que livro e filme sejam uma das inspirações para o grupo de voluntários do Greenpeace DF e para todos aqueles e aquelas que arrancam o suor do rosto, mundo afora, na determinação por dias melhores.

A nossa saudação...